About Me

Minha foto
M. Rosa
Maristela Rosa,universitária,faço faculdade de Comunicação Social(serei uma jornalista com diploma,acreditem!!!) Tenho 19 anos e adoro escrever besteiras,coisas inúteis e agora quero dividir isso com o Mundo,não é ótimo???rsrsrs....Mas voltando a falar de mim:gosto de ler,escrever,ver filmes,ouvir e contar histórias,por isso conto com a ajuda e interesse de vocês para fazer desse Blog uma página divertida,interessante e diferenciada na Net.! Agradeço,desde já e Mão na massa! =)
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Tecnologia do Blogger.
domingo, 22 de janeiro de 2012

Orkut - o rejeitado

            Redes sociais são uma febre, hoje mais do que nunca! São um fenômeno comunicativo novo e rico, que ainda estamos começando a explorar. Mas não é bem das potencialidades dessas redes que quero discutir.
            O fato é que o primeira rede social realmente popular de que se tem notícia, no Brasil ao menos, é o Orkut. Nenhum garoto ou garota que se dizia 'conectado', podia não ter um perfil no Orkut. Quando se conhecia alguém e se gostava dessa pessoa, a primeira pergunta era:"Você tem Orkut?!". Mas hoje isso mudou, e muito! Agora ter Orkut é 'mico'. Orkut é sinônimo de pobreza, falta de classe. A minha pergunta é: Por que? Por que que, de uma hora para outra o Orkut se tornou tão mau quisto?
            Muita gente supõe que seja questão de "modinha". Agora o que está na moda é Facebook, então as pessoas migram para um e fala mal de outro, sem o menor remorso. Mas será só isso? Bom...Eu tenho uma teoria! O Orkut, depois que se tornou popular, começou a ser palco de algumas coisas bem ruins e degradantes. Comunidades defendendo desde o racismo até a anorexia. Grupos de criminosos e vândalos marcavam encontros para briga através do site. É claro que esse tipo de coisa pode vir a ocorrer no Facebook também (se é que não ocorre), mas o Orkut acabou estampado na TV e nos jornais como "o site de relacionamento" criminoso.Ou seja, um site que antes era posse da elite, da 'gente de classe', agora estava sendo invadido. Quando o Brasil tomou conhecimento do Facebook viu nele a oportunidade de ser chic e VIP de novo, agora cuspindo no prato que comeu.
              O único problema que vejo nisso tudo é que se associa o marginalidade e os 'maus costumes' a pobreza. Ou seja, se uma pessoa mora na favela, tem que usar Orkut, se mora bem e é  educado, usa Facebook e zoa os ferrados do Orkut. Um aviso:"A favela de hoje foi o condomínio de ontem, e o luxo de hoje, pode ser o lixo de amanhã." Em todos os casos o preconceito e a hipocrisia são gritantes.




Bjos, Abraços, aperto de mão!


                           
             M.Rosa
sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

A Luíza, o Canadá, o BBB, o jornalismo...



     O jornalista Carlos Nascimento disse:" Os problemas brasileiros estão todos resolvidos, ou nós nus tornamos perfeitos idiotas. Não é possível que dois assuntos tão fúteis possam chamar a atenção de um país inteiro. Primeiro um programa de televisão em que si discute um estupro, por si só já é um absurdo, negado pelos dois protagonistas. Segundo, uma pessoa que ninguém conhece vira uma celebridade na mídia somente porque o nome apareceu milhares de vezes na internet. Luíza já voltou do Canadá. E nós já fomos mais inteligentes."

     Luíza e BBB não são mesmo assuntos que vão mudar o país Carlos, tem razão. Mas e daí? Tudo que dissemos e fazemos agora tem que ter um fundo moral, consciente, revolucionário? Até onde vi, a imprensa também fez seu papel de dar ibope a essas "notícias". Com toda a certeza esse puxão de orelhas de Nascimento, está bem canalizado para a Rede Globo, que deu um destaque absurdo para essa tal de Luíza (que não é e nem nunca fez nada de importante) e que foi a casa (literalmente) onde ocorreu o tal "estupro". Não acho que uma brincadeira de internet mostre que as pessoas estão com os seus problemas resolvidos, mas quando telejornais escolhem fazer entrevistas exclusivas e dar uma importância incrível a algo extremamente vazio, aí está mesmo na hora de repensar as coisas. Acredito que Carlos esteja falando de jornalista pra jornalista. Perguntando a seus colegas e suas emissoras:"Será mesmo que é isso que as pessoas precisam ver no noticiário? Isso é de fato relevante?" E sob este ponto de vista, concordo com ele. Mas não tenho nenhum peso na consciência por ter feito parte da brincadeira com a tal Luíza! Aliás, tá todo mundo comentando o que Carlos Nascimento disse, menos a Luíza, que tá no Canadá! Tá bom, eu sei que ela já voltou.





Bjos, Abraços, aperto de mão!




                            M.Rosa